sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Armadura lírica

A minha luta se dá pela palavra escrita.
Se me falta a palavra, é como se eu me faltasse também.

É assim que me ofereço ao mundo: cheia de letras, remendos, cacos de vidro. É assim que me sacrifico, como um soldado que vai à guerra. 

Minha palavra sangra, protesta, transpira. Introspectiva e consciente de sua limitação. 
Rasa, alienada, em busca de empatia. Minha palavra compõe a epiderme, meus ossos, estômago, coração. Provoca arritmia, refluxo, má digestão.

Minha palavra quer ser outra:
Menos minha
Menos silêncio
Menos resignação.

Coro, rebanho, constelação.

Mais nossa
Mais plural:
Revolução.

Um comentário: